EUA alertam para riscos de estimulante sexual masculino Vigor-25





WASHINGTON, 19 Nov 2010 (AFP) -A agência americana que regula medicamentos (FDA) alertou, esta sexta-feira, para os riscos do Vigor-25, um estimulante sexual masculino vendido como produto natural e que pode fazer despencar a pressão arterial.

O produto é "perigoso" e "não deve ser comprado, nem utilizado", advertiu a Food and Drug Administration, em um comunicado.

O risco vem do fato de que o produto contém sildenafil, princípio ativo do Viagra, só vendido com receita médica, segundo a FDA.

O sildenafil pode ter interações com outros medicamentos que contêm nitratos, o que pode produzir uma queda perigosa da pressão arterial.

Por isso, o produto não é completamente natural, ao contrário do que assegura a firma americana Piston Corp, seu distribuidor na internet e em algumas lojas de produtos dietéticos, acrescentou a FDA.

A agência descobriu nos últimos anos vários produtos vendidos como complementos dietéticos destinados a melhorar a libido que podem ser perigosos porque contêm substâncias farmacológicas ativas ou variedades reguladas.

Os produtos que prometem melhorar o rendimento sexual provavelmente contêm estas substâncias, destacou a FDA.

Segundo pesquisa cada vez mais os Jovens Brasileiro utilizão inregulamente o estimulante sexuais, mais de 60% dos jovens usam ou já usarão este medicamento, tornando uma das drogas mais usadas pelas pessoas na atualidade um risco muito grande para a saúde cardiacas, gerando cada vez mais complicações no mesmo aos ususrios, de 40 jovens entrevistados pelo Oeste agora 24 quanto jovens são usuarios de estimulantes sexuais, não impontando os risco causado pelo uso.

Médicos alertam para os perigos dos estimulantes sexuais

'Qualquer estimulante sexual deve ter orientação médica; 'O medicamento pode se tornar uma arma letal', alerta médico
Um homem morreu na madrugada desta terça-feira (11), no Hospital Geral do Estado (HGE). Segundo informações do hospital, ele foi atendido por uma equipe do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), num motel da capital alagoana e socorrido para a unidade. Há suspeita de que a vítima tenha feito uso de estimulante sexual horas antes de morrer.

Especialistas explicam uso dos estimulantes sexuais

A reportagem da Gazetaweb ouviu especialistas sobre o uso de estimulantes sexuais para prolongar o ato sexual e de que forma o medicamento pode ser usado corretamente.

Urologista

Para o urologista Cláudio Roberto, o uso de qualquer estimulante sexual deve ter orientação médica. “O medicamento pode se tornar uma arma letal. O uso sem permissão de um especialista na área de saúde e sem uma avaliação do paciente pode levar a uma parada cardíaca e em muitos casos a morte” – disse.

Ele alerta para um novo medicamento que circula no câmbio negro e que a sua constituição química ainda é desconhecida pelos médicos. “Um medicamento que recebe o nome de Pramil está sendo vendido em feiras livres, mercados e na venda particular sem nenhuma procedência. Ele não é vendido em farmácias e pode ser adquirido sem nenhuma prescrição médica ao preço de R$ 10. Valor muito menor que o cobrado pelos laboratórios que fabricam os estimulantes e que são ofertados nas prateleiras das farmácias” – afirma.

Ainda segundo o urologista, quem adquire o medicamento no mercado negro não passa por nenhuma avaliação, é o que deve ter ocorrido com o idoso que não resistiu e morreu nesta madrugada. O somativo de estimulante sexual e remédios a base de nitrato não pode ocorrer.

Mas ele ressalta que qualquer afirmação de que houve a soma dos dois medicamentos só poderá ser confirmada depois da realização de necropsia no corpo da vítima.

Procura dos estimulantes por jovens

O urologista Cláudio Roberto disse a demanda de jovens com idade a partir de 25 anos que procura o consultório médico para pedir o medicamento é grande. “Cada dia o número de jovens que pede a prescrição médica para uso de estimulantes sexuais cresce e procuro orientar dizendo que o uso desse tipo de medicação só em casos de extrema necessidade” – afirma.

Para o médico, a procura constante do medicamento por parte dos jovens se deve a facilidade encontrada nos dias de hoje para o sexo.

Cardiologista

O coordenador da cardiologia do Hospital do Açúcar, Francisco Costa, explica que o basicamente é preciso avaliar o paciente para saber se ele apresenta condições físicas e mentais para fazer uso de um estimulante sexual.

“Avaliamos se o paciente apresenta algum tipo de problema na artéria coronária, se faz uso de algum medicamento à base de nitrato o que pode causar uma pontecialização e levar a morte durante o ato sexual”.

Ele lembra que o aparecimento de estimulantes vendidos em feiras livres aumenta a compra e permite que mais homens façam uso de medicamentos sem nenhum tipo de avaliação e de resguardo quanto a possíveis problemas que são ocasionados pela combinação. Francisco Costa ressalta a importância de uma fiscalização mais ativa nos pontos onde esses medicamentos estão sendo comercializados.

Ainda segundo o cardiologista, para os pacientes que fazem uso de Nitrato, ele orienta que se vai usar o estimulante sexual haja uma suspensão para não haver a somar dos componentes químicos.

“Oriento meus pacientes que pedem prescrição de estimulante que suspenda a medicação tomada regularmente 48 horas antes, assim evita que a somativa provoque parada cardíaca. Há casos em que o uso do estimulante é terminantemente proibido, são os pacientes hipertensos, coronarianos, entre outros”, orienta.

Estimulantes sexuais

Doze marcas de estimulantes sexuais disputam o consumidor brasileiro. Só no ano passado, esses remédios venderam R$ 500 milhões. Até quem não tem problemas de disfunção erétil procurar o medicamento.